Unidade: Yassuragui Home

História

Fundado em 1977, esta unidade prestou atendimento a portadores de transtornos mentais de ambos mentais de ambos os sexos em regime de abrigamento por 35 anos, até maio de 2012.

A partir de junho de 2012, sua forma de atendimento sofreu modificação para se adequar à Lei Federal nº 10216, de 06 de abril de 2001, que dispõe sobre os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental, não permitindo mais a existência de internação de longa permanência, ou seja, de características asilares.

Com a colaboração da Secretaria Municipal de Saúde de Guarulhos, município onde se localiza o Yassuragui Home, a unidade redirecionou a sua forma de funcionamento.

À luz da legislação vigente no contexto atual, a situação de cada um dos internos foi cuidadosamente analisa pelas equipes técnicas da unidade e do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) III Alvorecer considerando aspectos relacionados à autonomia e independência, convívio, vínculo e suporte familiar, possibilidades financeiras e de inserção no território de origem. Somente após este procedimento cauteloso um total de 29 residentes foram remanejados da seguinte forma: 10 retornaram para suas casas, 7 foram encaminhados para Instituições de Longa Permanência para Idosos – ILPI’s, e 12 passaram a viver em Moradia Assistida.

O Yassuragui Home passou a administrar uma nova forma de atendimento denominado Moradia Assistida, a doze usuários que não se enquadravam a nenhuma outra forma de atenção existente na comunidade, quer seja pela idade, ou pela singularidade do problema que apresentam .

Foram disponibilizadas três casas com cinco cômodos cada, destinadas para quatro moradores cada uma. Os usuários são acompanhados por um coordenador e acompanhantes comunitários que trabalham em conjunto para que todos se tornem, inicialmente, autônomos e independentes nas atividades rotineiras e, futuramente, produtivos, participando e fazendo parte da comunidade.

E para receberem acompanhamento de profissionais especializados frequentam o CAPS do território.